23 de julho de 2014

Ele sofreu um AVC na noite de segunda-feira e passou por cirurgia. Nascido na Paraíba, ele vivia no Recife desde 1942
Foto: Google Imagens/Reprodução

Morreu no Recife, nesta quarta-feira (23), o escritor, dramaturgo e poeta paraibano Ariano Suassuna, aos 87 anos. Ele estava internado desde a noite de segunda (21) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Português, onde foi submetido a uma cirurgia na mesma noite após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) do tipo hemorrágico. Segundo boletim médico, o escritor faleceu às 17h15. "O paciente teve uma parada cardíaca provocada pela hipertensão intracraniana". A família ainda não informou os detalhes do funeral.

A cirurgia da segunda foi feita para a colocação de dois drenos na tentativa de controlar a pressão intracraniana. Na noite de terça-feira (22), o quadro dele se agravou, devido a "queda da pressão arterial e pressão intracraniana muito elevada", conforme foi informado em boletim. Em 2013, Ariano foi internado duas vezes. A primeira delas em 21 de agosto, quando sentiu-se mal após sofrer um infarto agudo do miocárdio de pequenas proporções, de acordo com os médicos, e ficou internado na unidade coronária, mas depois foi transferido para um apartamento no hospital. Recebeu alta após seis dias, com recomendação de repouso e nenhuma visita.

Dias depois, um aneurisma cerebral o levou de volta ao hospital. Uma arteriografia foi feita para tratamento e ele saiu da UTI para um apartamento do hospital, de onde recebeu alta seis dias depois da internação, no dia 4 de setembro.
Na aula-espetáculo, Ariano mistura causos, informações sobre elementos da cultura popular nordestin a (Foto: Costa Neto / Secretaria de Cultura de Pernambuco)Na aula-espetáculo que ministrou no Festival de Inverno de Garanhuns, na semana passada, mais uma vez Ariano misturou causos, informações sobre elementos da cultura popular nordestina; o grupo Arraial foi o convidado para os números de música e dança (Foto: Costa Neto / Secretaria de Cultura de Pernambuco)

Ativo até o fim
Ariano Suassuna nasceu em 16 de junho de 1927, em João Pessoa, e cresceu no Sertão paraibano. Mudou-se com a família para o Recife em 1942. Mesmo com os problemas na saúde, ele permanecia em plena atividade profissional. "No Sertão do Nordeste a morte tem nome, chama-se Caetana. Se ela está pensando em me levar, não pense que vai ser fácil, não. Ela vai suar! Se vier com essas besteirinhas de infarto e aneurisma no cérebro, isso eu tiro de letra", disse ele, em dezembro de 2013, durante a retomada de suas aulas-espetáculo.

Em março deste ano, Ariano foi homenageado pelo maior bloco do mundo, o Galo da Madrugada. Ele pediu que a decoração fosse feita nas cores do Sport, vermelho e preto, e ficou muito contente com a homenagem. "Eu acho o futebol uma manifestação cultural que tem muitas ligações com o carnaval", disse, na ocasião. No mesmo mês, o escritor concedeu uma entrevista à TV Globo Nordeste sobre a finalização de seu novo livro, "O jumento sedutor". Os manuscritos começaram a ser trabalhados há mais de trinta anos.

Na última sexta-feira, Suassuna apresentou uma aula espetáculo no teatro Luiz Souto Dourado, em Garanhuns, durante o Festival de Inverno. No carnaval do próximo ano, o autor paraibano deve ser homenageado pela escola de samba Unidos de Padre Miguel, do Rio de Janeiro.
Com montagem d'O Auto da Compadecida no Rio de Janeiro, Ariano conquistou a crítica brasileira (Foto: Acervo pessoal / Ariano Suassuna)Com montagem d'O Auto da Compadecida no Rio de Janeiro, Ariano conquistou a crítica brasileira (Foto: Acervo pessoal / Ariano Suassuna)
Obra
A primeira peça do escritor, "Uma mulher vestida de sol", ganhou o prêmio Nicolau Carlos Magno em 1948. Ariano escreveu um de seus maiores clássicos, "O Auto da Compadecida", em 1955, cinco anos depois de se formar em direito. A peça foi apresentada pela primeira vez no Recife, em 1957, no Teatro de Santa Isabel, sem grande sucesso, explodindo nacionalmente apenas quando foi encenada – e ganhou o prêmio – no Festival de Estudantes do Rio de Janeiro, no Teatro Dulcina. A obra é considerada a mais famosa dele, devido às diversas adaptações. Guel Arraes levou o “Auto” à TV e ao cinema em 1999.

O escritor considera que seu melhor livro é o "Romance d'A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta". A obra começou a ser produzida em 1958 e levou 12 anos para ficar pronta. Foi adaptada por Luiz Fernando Carvalho e exibida pela Rede Globo em 2007, com o nome de "A pedra do reino". Na década de 70, Ariano começou a articular o Movimento Armorial, que defendeu a criação de uma arte erudita nordestina a partir de suas raízes populares. Ele também foi membro-fundador do Conselho Nacional de Cultura.

Após 32 anos nas salas de aula, Suassuna se aposentou do cargo de professor da Universidade Federal de Pernambuco, em 1989. O período também ficou marcado pelo reconhecimento nacional do escritor – Ariano tomou posse na cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio de Janeiro, em 1990.

Fonte: G1
                                 
Vinte e nove supostas prostitutas além de cafetão das meninas e um de seus capangas foram executados em um ataque a um bordel no bairro residencial de Zayouna. Esta área é conhecida por alugar apartamentos para cafetões, que às vezes pode ter até 60 mulheres que trabalham para eles de uma só vez.
Para vê as imagens fortes click aqui, são proibidas para menores de 18 anos de idade.

Muitos agentes de segurança na área são facilmente subornados para “olhar para o outro lado”. O cafetão, identificado apenas como Aws e seu capanga ambos tinham as mãos amarradas atrás das costas antes de serem executados. Algumas mulheres mortas amontoadas em um banheiro todas na tentativa de escapar de seus assassinos, enquanto outros foram encurralados em um quarto principal e abatidos, no chão um rio de sangue banhava toda área.

As autoridades ainda não tem suspeitas dos responsáveis por este ataque brutal. Uma mensagem foi deixada em cima da porta de um dos dois edifícios alvo no ataque que diz: Este é o destino de toda a prostituição.

O fato Aconteceu em Bagdá. 

Fonte: Jornal de Caruaru

22 de julho de 2014



Soube, há pouco, que o dramaturgo, romancista e poeta brasileiro Ariano Suassuna, 87 anos, acabou de falecer no Hospital Português, no Recife. Ele havia se submetido a uma cirurgia ontem após sofrer um AVC hemorrágico. A família admite que seu estado nas últimas horas piorou bastante, mas não confirma a morte. Um integrante da família, entretanto, disse que seu quadro é dramático e usou o seguinte termo: 'Ele (Ariano) está desenganado'.

Fonte+Casinhas

21 de julho de 2014

A prefeitura municipal de Casinhas entregou no ultimo sábado a população de Vila Nova a escola São Miguel que passou por uma reforma geral, quem conhecia a aquela escola antes pode conferir a diferença, nem parece aquela escola era assim que muitas pessoas falavam quando entrou na escola, estiveram presente a prefeita do município, Rosineide Barbosa, Laura Sousa secretária de educação, Antonio Araujo secretário de obras e os seis vereadores da situação.
Confira as fotos:

                                     
                   

                     

                      
Fotos: Mário Andrade


O costureiro Célio Soares da Silva, mais conhecido como "Gogó", de 31 anos, natural da localidade do Diogo, no município de Casinhas, foi encontrado morto na cidade de Caieiras, no interior do estado de São Paulo. As primeiras informações apuradas pelo Blog dão conta de que ele estava desaparecido desde a última sexta-feira (18), quando saiu da empresa onde trabalha e não foi mais visto por parentes e amigos.

Seu corpo foi encontrado caído no chão de uma casa em construção, apresentando marcas de violência física causadas provavelmente por um bloco de cimento. A Polícia de Caieiras ainda não tem pistas sobre o suspeito pelo crime e segue investigando o caso. 


Matéria copiada do Blog Mais Casinhas

19 de julho de 2014


Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!