13 de abril de 2012

Suspeitos de canibalismo vendiam carne humana em coxinhas e empadas no interior de Pernambuco

suspeitos-canibalismo-hg-
O trio preso em Garanhuns (PE) suspeito de canibalismo teria afirmado em depoimento à polícia que usava parte da carne das nádegas e das coxas das vítimas no recheio de salgados como coxinhas e empadas, que eram vendidas na cidade do agreste pernambucano. A informação foi confirmada ao R7, na manhã desta sexta-feira (13), pelo delegado responsável pelas investigações, Weslei Fernandes.

- Eles disseram que usavam principalmente parte das coxas, braços e nádegas das vítimas. Não temos como provar isso, mas pela veracidade de outras coisas que eles disseram é possível que seja verdade. 

Os salgados eram vendidos por uma das suspeitas, que trabalhava como vendedora ambulante. Ela oferecia as coxinhas e empadas aos funcionários do comércio e a restaurantes da cidade.

Segundo Fernandes, o trio teria matado e comido pelo menos oito mulheres. Até o momento, porém, pedaços dos corpos de somente duas das vítimas foram localizados. O delegado afirma que os assassinatos faziam parte de rituais. As vítimas eram mortas a facadas e esquartejadas. Em seguida, o trio bebia o sangue e se alimentava da carne das mulheres mortas por quatro dias.


- Eles falaram que esse era um período de purificação, em que só comiam a carne humana. Os restos eram enterrados. Pelos relatos, parece coisa de filme.


Oferta de trabalho
Ainda de acordo com a investigação, as vítimas eram atraídas pelos suspeitos com ofertas de emprego. Os depoimentos apontam que os criminosos escolhiam as mulheres que eles acreditavam ser "pessoas más". 


Os investigadores descobriram que uma das mulheres presas suspeita dos crimes usava uma identidade falsa. O documento pertencia a uma das mulheres mortas pelos criminosos em 2008. A Polícia Civil investiga se uma criança encontrada com os suspeitos era filha dessa vítima. A menina de cinco anos foi encaminhada para o Conselho Tutelar e, segundo conselheiros, está bastante abalada.


De acordo com o delegado, a criança também era alimentada com carne humana. A polícia investiga, inclusive, se os suspeitos teriam dado carne da mãe à garota, logo após seu assassinato. 
Os parentes disseram que quando a mulher desapareceu, em 2008, a criança também sumiu. Vamos apurar o parentesco e, se ficar comprovado, eles poderão ficar com a criança.


Fernandes contou que uma nona mulher estava para ser morta, mas teria faltado à ‘entrevista’ de emprego anunciada pelo trio. os policiais investigam outros crimes atribuídos ao grupo.


Diário
Junto com os suspeitos, os investigadores apreenderam um diário. No caderno, uma das criminosas revelaria detalhes dos crimes, afirmando que eles eram premeditados. Em um dos trechos, segundo o delegado, ela teria escrito: “faz exatamente uma semana que uma segunda missão que fizemos, que foi a eliminação de um ser, (...) Agora nos preparamos para uma terceira missão”.


O diário teria ainda desenhos de como os corpos eram enterrados e os motivos para as mortes.
Ficção 
O caso de Pernambuco tem semelhanças com uma lenda do crime britânica que ficou famosa junto ao público do mundo inteiro após o cineasta Tim Burton lançar, em 2007, o filme-musical “Sweeny Todd, o barbeiro demoníaco da rua Fleet”. No cinema, o ator Johnny Depp interpreta o papel de Sweeny Todd, um barbeiro que assassinava seus clientes. Após cometer vários crimes, Todd conhece a senhora Lovett, uma cozinheira que vendia tortas em Londres. Os dois se apaixonam e passam a desenvolver um comércio macabro. A cozinheira fazia o recheio de suas tortas com a carne das vítimas do companheiro.


Fonte: R7.com
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial