9 de setembro de 2014

Avião que caiu com Eduardo Campos pode ter sido vitima de atentado

                       
O texto abaixo, que está circulando nas redes sociais, é atribuído ao coronel do Exército José Ori Dolvin Dantas, mas o editor do Blog entrou em contato com ele, que negou categoricamente a informação. No entanto, foi escrito por uma “pessoa do ramo”, dada a consistência das afirmações sobre a queda do avião Cessna que matou Eduardo Campos e mais seis pessoas. Confira:

"Usei os seguintes argumentos para justificar que o acidente foi um atentado.
1- Um jato executivo bimotor de porte médio fabricado em 2010 com 300 horas de voo é um avião novo!
2- A aeronave estava com as inspeções gerais e periódicas previstas no programa de manutenção em dia.
3- Equipado com sofisticados instrumentos de navegação que permitem pousos e decolagens em qualquer condição de tempo.
4- Gravador de voz em pane? Difícil de engolir. Ou o CENIPA recebeu ordem para não divulgar o conteúdo do áudio ou o gravador foi danificado durante o pernoite no pátio do Aeroporto Santos Dumont (RJ).
5- A voz do piloto no diálogo com a torre de controle e divulgada por uma emissora de TV (Globo) logo após o acidente mostrava muita tranquilidade da tripulação, apesar da chuva e da pouca visibilidade durante os procedimentos de aproximação.
6 – Há fortes indícios de duas explosões: uma na cabine ou nas turbinas, o que fez o avião despencar, e outra onde estavam os passageiros (motivo de os corpos terem sido totalmente esmigalhados). É tão evidente que houve esta explosão que não se achou, sequer, um pedaço de crânio, para se comparar fichas odontológicas a qualquer arcada dentária. Somente com o exame de DNA foi possível identificar o que sobrou de cada corpo.
 
Fonte: Inaldo Sampaio

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial