Armando Monteiro gastou 7,4 milhões do seu próprio bolso na campanha e arrecadação total foi 19,7 milhões.Foto: Alexandre

Foto: Alexandre Albuquerque/Divulgação.
Foto: Alexandre Albuquerque
                        Em Pernambuco, a campanha que mais arrecadou não foi a vencedora destas eleições. Segundo a prestação de contas final, divulgada na noite desta terça-feira (4) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o candidato que mais recebeu dinheiro foi o senador Armando Monteiro Neto (PTB). Foram doados R$ 19.736.207,21 ao petebista, sendo R$ 7.410.000 por ele mesmo em cinco datas diferentes. O valor é superior ao que foi declarado pelo vencedor deste pleito com mais de 68,08% dos votos, Paulo Câmara (PSB): R$ 17.986.657,10.
Ao todo, as campanhas para governador de Pernambuco arrecadaram R$ 37.757.422,47. Na prestação de contas anterior, do início de setembro, o valor era de mais de R$ 18 milhões.
Aliado da presidente Dilma Rousseff (PT), Armando recebeu R$ 250.533,75 do comitê da petista. Entre as empresas que estão na declaração, estão bancos e empreiteiras, como Itaú (R$ 250 mil), Odebrecht (R$ 200 mil), Setta Combustíveis (R$ 30 mil), Gerdau (R$ 250 mil), além de duas holdings do Bradesco (R$ 250 mil e R$ 100 mil).
Porém, o Bradesco Saúde e o Bradesco Vida e Previdência doaram, juntos, R$ 1 milhão à campanha do socialista, adversário do petebista. Já alguns doadores em comum preferiram doar o mesmo valor para os dois candidatos, caso da Odebrecht, do Itaú e da Brasil Kirin (R$ 100 mil), por exemplo.
A campanha de Armando recebeu ainda doações da sua família. O pai dele, o ex-ministro Armando Monteiro Filho (PDT), por exemplo, deu R$ 176 mil. O correligionário Douglas Cintra, que o substitui no Senado até este mês, doou R$ 184.585,70.
A maior doadora da campanha socialista ao Governo do Estado foi a construtora OAS, que contribuiu com R$ 3,5 milhões.
Embora a campanha seja estadual, as contribuições vieram de outros lugares. A Companhia Siderúrgica Vale do Pindaré, registrada no Maranhão, doou R$ 95.491,35 para Paulo Câmara – além de R$ 500 mil para a campanha do seu aliado eleito para o Senado, Fernando Bezerra Coelho (PSB).
A empresa Grande Moinho Cearense, controlada por Carlos Jereissati, da família do tucano cearense Tasso Jereissati, eleito senador pelo estado, doou R$ 1 milhão para a campanha de Paulo Câmara.
Zé Gomes (PSOL) recebeu R$ R$ 22.813,13; Miguel Anacleto (PCB), R$ 8.020,03; e Jair Pedro (PSTU), R$ R$ 3.725. Pantaleão (PCO) declarou não ter arrecadado nada.
←  Anterior Proxima  → Inicio

Seguidores

Total de visualizações