10 de junho de 2015

Quase 58% dos inscritos no Enem são negros

                              Número de pessoas que se declaram negras vem aumentando nas últimas edições do exame / Foto: Reprodução
A maior parte dos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015 é negra. De acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo Ministério da Educação (MEC), 4,9 milhões de candidatos, que equivalem a 57,81% do total, são negros.
Cerca de 8,5 milhões de candidatos inscreveram-se para a edição atual do Enem, cujas inscrições terminaram sexta-feira (5). As provas serão nos dias 24 e 25 de outubro em mais de 1,7 mil cidades.

A porcentagem de negros no Enem aumentou em relação às últimas edições. Em 2012, os negros representavam 53,1% dos candidatos e, em 2013, 55,4%. Em 2014, os dados dos inscritos por raça foram divulgados apenas quando as inscrições foram confirmadas – das 9,5 milhões de inscrições, 8,7 milhões foram confirmadas, e os negros representaram 57,9%.

Em 2015, os brancos representam 37,47%, os amarelos, 2,05%, e os indígenas, a menor porcentagem, 0,59%. Não fizeram a declaração 2,08% dos inscritos. Do total de candidatos, 12,63% se disseram negros e 45,18%, pardos.

Os dados ainda são preliminares e as inscrições serão confirmadas apenas após o pagamento da taxa de R$ 63. O prazo para que isso seja feito termina às 21h59 desta quarta-feira (10). Concluintes do ensino médio em escolas públicas e pessoas que declararam carência são isentos.

Ainda de acordo com dados do MEC, 1,7 mil candidatos são idosos e solicitaram atendimento específico. Entre as mulheres, 8,2 mil estão gestantes e 10,6 mil, em fase de amamentação. Os sabatistas – pessoas que guardam o sábado e, por isso, têm horário de prova diferenciado – são 70,8 mil e 646 são estudantes em situação de classe hospitalar.

Entre os que solicitaram atendimento especializado, 20,9 mil são pessoas com deficiência física, 10,9 mil são pessoas com baixa visão; 7,1 mil têm deficiência auditiva e 7,2 mil registraram déficit de atenção. Os demais atendimentos foram solicitados por pessoas com visão monocular (3,2 mil), dislexia (2,4 mil), deficiência intelectual (2,4 mil), surdez (2 mil), cegueira (1,3 mil), autismo (505), discalculia (427) e surdocegueira (40). Além disso, 2,6 mil candidatos solicitaram atendimento especializado por outra deficiência ou condição especial.

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, destacou que é cada vez maior a atenção ao lado do acolhimento. "Podem ser poucas pessoas, mas, por exemplo, as 40 que declararam surdo cegueira, são pessoas que necessitam de acolhimento muito forte. Como se vê pela definição, não adquirem informação nem pelo som, nem pela visão, então há procedimentos extremamente qualificados de inclusão delas. Há pessoas que têm discalculia, ou seja, têm dificuldade com números."

De acordo com o ministro, antigamente, isso seria uma condenação da pessoa. "Ela não conseguiria prosseguir na escolaridade, talvez não conseguisse nem terminar o fundamentaI. Atualmente, essas pessoas podem fazer curso universitário, sim", afirmou Janine.


Fonte: Agencia Brasil
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial