13 de dezembro de 2016

Confira a matéria feita por Magno Martins em Casinhas

     Os irmãos da discórdia 
                                   
CASINHAS (PE)- Em pelo menos três municípios pernambucanos, as câmaras municipais para a legislatura que se instala a partir do próximo dia 1 de janeiro estarão com uma composição familiar mais ampla e diferenciada. É o caso, por exemplo, de Casinhas, ex-distrito de Surubim, a 131 km do Recife, no Agreste Setentrional, de apenas 11 mil eleitores, cujo parlamento terá dois irmãos eleitos em coligações diferentes.  
Marcelo Andrade (PSB), 36 anos, o mais novo, renovou o seu mandato a duras penas. Dos nove eleitos, foi o último, perdendo metade da votação em relação ao pleito passado. Saiu de 829 para 416 votos. O irmão Marcos Andrade (PTB), mais velho, 42 anos, estreante na política, teve um pouquinho mais – 445 votos. Na verdade, sua eleição se constituiu numa grande ameaça à renovação do mandato do irmão, que se revelou seu maior opositor.
Foi a primeira vez na história de Casinhas, com apenas 22 anos de emancipação, que o município assistiu a uma divisão de família em alianças diferentes. Enquanto Marcelo, que fez oposição ao atual Governo, saiu eleito governista, na coligação do prefeito eleito, Marcos está no outro lado do balcão.
Aliado da prefeita Maria Rosineide Barbosa (PP), que não conseguiu a reeleição, sendo derrotada pelo candidato do PSB, João Camelo, Marcos fará oposição ao prefeito eleito. O que se diz na cidade é que a prefeita fomentou a cisão na família, instigando a candidatura de Marcos, que ganha o pão como mecânico, para atrapalhar a reeleição de Marcelo, seu maior opositor na Câmara.
“Marcelo fez marcação cerrada ao Governo dela, que, maquiavélica, convenceu Marcos para entrar na disputa apenas com o propósito de se vingar”, avalia Camelo. Se não conseguiu impedir a reeleição do seu “calo” na Câmara, a prefeita quase que promove o litígio familiar. “Não houve agressões entre nós, mas Marcos nunca teve planos de entrar na política e só entrou porque teve alguém muito forte que estimulou e apoiou”, desaba Marcelo, referindo-se à prefeita.
 “Tive o apoio, sim, da prefeita, mas isso não significa que tenha sido instrumentalizado para derrotar meu irmão”, reage Marcos. Percebendo o jogo da prefeita, Marcelo concentrou sua campanha no voto urbano, de opinião, tendo em vista que o irmão avançava em redutos rurais tradicionais seus, como o sitio Oratório, onde em 2012 saiu majoritário. Quem obteve a maioria dos votos da localidade foi Marcos – 207 votos.
Mas ele tem uma justificativa na ponta da língua. “Ganhei mais votos em Oratório porque moro lá”, afirma.  Enquanto Marcos teve na área rural 238 votos, mais da metade da sua votação, Marcelo emplacou apenas 165 votos. “Não fosse o meu trabalho parlamentar e a oposição ferrenha que fiz à desastrosa gestão da prefeita eu teria perdido a eleição para o meu irmão”, reconhece Marcelo, que não tem nenhuma dúvida de que Rosineide armou a candidatura do irmão.
“Ela faz política assim mesmo”, define. Na cidade, a população entendeu que a disputa entre dois irmãos prejudicaria muito mais Marcelo, que já tem mandato. Mas nem os pais Joseja e José Pedro, que moram na zona rural, conseguiram que os filhos se entendessem, arquivando a ideia de travarem a disputa nas urnas. Na divisão, em votos na família, quem levou vantagem, aparentemente, foi Marcelo. O próprio Marcos diz que a mãe e os seis irmãos não votaram nele.
“Não tive um só voto na família, que ficou com Marcelo. A opção por ele não significa que sou o patinho feio, mas se deu pelo fato de que pai, mãe e irmãos serem eleitores também do prefeito eleito”, explica. Nem por isso, Marcos ficou desapontado. “Eu entendi perfeitamente a posição da minha família”. Marcelo garante que, em nenhum momento, fez a cabeça dos pais para arrebatar sozinho os votos da família.
Segundo ele, o que a família priorizou foi eleição do prefeito. “O objetivo dos meus pais, meus irmãos e eu era derrotar a prefeita e conseguimos”, comemora Marcelo. Mesmo divergentes e em palanques diferentes, Marcelo e Marcos não se agrediram em nenhum momento da campanha. “Tentaram fazer fofocas e espalharam que a política nos levou a se intrigar, mas eu nunca deixei de falar com meu irmão e tratá-lo bem”, garante Marcelo.
Eleitora de Casinha, Maria Josefa diz que conhece os dois irmãos, mas preferiu votar em Marcelo. “Já conheço o trabalho aguerrido dele e me animei a votar também porque ele é do lado do prefeito eleito”, diz Joseja, para quem o vereador fez um bom mandato na oposição. “Foi uma voz firme, nunca se vendeu e por isso mesmo foi perseguido o tempo todo pela prefeita”, afirmou. 
Vereador mais votado do município, com 599 votos, 6,32% dos votos válidos, José Martins da Silva, do PSB, conhecido como Inácio do Toyota, é o nome mais cogitado para presidir a Câmara de Vereadores a partir de janeiro. “Ele já tem o meu voto e vou cabalar o voto do meu irmão”, admite Marcelo Andrade, que já está praticamente em campanha para eleger o aliado. Ele próprio, embora muito ligado ao prefeito eleito, não tem planos para entrar na disputa. “A tendência é elegermos o mais votado”, admite. 

Fonte: Blog do Magno
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial